Foto: Reprodução

Um festival marcado para o próximo sábado (14), em Caxias do Sul, foi alvo de uma denúncia na Polícia Civil em Canoas. A iniciativa pretende reunir bandas de rock, mas chamada do evento gerou polêmica e, inclusive, um boletim de ocorrência.

Inicialmente, o evento denominava-se ‘Facada Fest RS’. A publicação no Facebook trazia uma montagem com as fotos de Jair Bolsonaro, em um caixão, e Adélio Bispo dos Anjos, autor da facada que feriu o presidente na ocasião da disputa eleitoral, em 2018.

O denunciante, morador de Canoas, viu o post na rede social e decidiu realizar o registro no último sábado (07).

“O organizador criou como base para comemorar o atentado que o presidente sofreu. Além do mais, o evento incita o ódio. (…) Fiz o BO denunciando o evento, pois acho inadmissível e absurdo criarem um evento com um nome desses. O que pode se esperar que aconteça num evento desses?”, questiona o morador, que demonstra apoia ao presidente Bolsonaro no Facebook.

Diante da repercussão negativa, a organização do festival decidiu cancelar o evento com o nome original, embora os shows continuem programados no local. A montagem com Bolsonaro foi removida, e substituída por outra.

Um dos participantes do evento explica que o festival começou antes mesmo da facada que feriu o presidente e não tem relação com o episódio.

“Passou a ter repercussão quando na terceira edição o ministro Sérgio Moro censurou o cartaz e não deixou o evento acontecer. A partir daí, como forma de protesto, passou se a usar a figura do presidente. (…) E dezenas de festivais apareceram. (…) Infelizmente conseguiram derrubar o festival aqui de Caxias. Estamos vivendo tempos sombrio. A liberdade de se expressar está seriamente ameaçada”, conta.