Foto: Reprodução

Um adolescente de 17 anos foi morto com um tiro na cabeça no bairro Guajuviras, em Canoas. O crime ocorreu em fevereiro deste ano e foi acompanhado, na época, pela reportagem da Agência GBC. Nesta terça-feira (26) o autor do disparo foi preso pela Polícia Civil.

 

Conforme a Brigada Militar (BM), populares relataram que ele e mais dois homens vinham conversando quando um deles sacou a arma e disparou contra a cabeça da vítima. Algumas testemunhas, escutadas pelos policiais, relataram que eles vinham discutindo, mas que pareciam amigos já que andavam juntos.

O atirador fugiu do local. O homem não foi identificado e ninguém do bairro disse que conhecia ele. Durante a investigação, nossa reportagem conseguiu imagens dele fugindo do local em uma motocicleta.

Esse e mais dois homicídios foram peças chaves para desencadear a Operação Perjúrio na manhã desta terça-feira (26) em Canoas. Foram cumpridas 14 ordens judiciais, sendo seis de prisão e oito de busca e apreensão.

Os alvos são investigados por 11 homicídios, segundo o diretor da 2ª Delegacia Regional de Polícia Metropolitana (2ª DPRM), delegado Mário Souza. Os crimes ocorriam, normalmente, nos bairros Guajuviras e Mathias Velho. Na maioria dos casos, os autores tinham convívio com as vítimas.

Conforme o titular da Delegacia de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP), delegado Thiago Carrijo, que coordenou a ação, os outros dois crimes que chamaram a atenção dos investigadores são os seguintes: em abril, um homem foi morto a pauladas por amigos após uma festa

O corpo, enrolado em um lençol, foi abandonado atrás do Maxxi Atacado. O segundo, é uma tentativa contra uma mulher. “As prisões são decorrentes de um difícil trabalho de investigação realizado pelos policiais nos últimos meses, chegando ao esclarecimento total dos fatos”, relatou o delegado.

Já o delegado Mário Souza esclareceu que “as ações contra o Crime de homicídios são uma prioridade absoluta na região e que a resposta deve ser a mais rápida possível para não permitir-se a impunidade.”

Até o momento, são quatro presos e três armas de fogo.