Foto: Prefeitura de Canoas/Divulgação

A mudança da bandeira laranja para a vermelha foi repercutida pelo prefeito de Canoas, Luiz Carlos Busato. A classificação faz parte da atualização semanal do plano de distanciamento controlado do governo do Estado. Canoas faz parte da região de agrupamento R08, composta por mais 17 municípios, dentre eles Cachoeirinha, Esteio, Nova Santa Rita e Sapucaia do Sul. A taxa de ocupação de leitos de UTI adulto está em 86,5% na região. Se for considerado apenas Canoas, o indicador chega a 91%.

“No comparativo do número de leitos livres de UTI no último dia para atender Covid-19 entre as duas sextas-feiras, a complicação permanece, demonstrando o avanço da pandemia na população da macrorregião metropolitana. Como este indicador reflete a capacidade de atendimento, o alerta é bastante expressivo, principalmente por que é a principal macrorregião do Estado em termos de atendimento à saúde”, diz publicação do governo do RS sobre os resultados na macrorregião Metropolitana.

Busato se manifestou nas redes sociais logo após o anúncio da bandeira vermelha. Segundo ele, o município está analisando as mudanças apresentadas pelo governo do Estado para entender os motivos da alteração. Pela regra do distanciamento controlado, as prefeituras têm até 24 horas para apresentar recurso. Os dados apresentados serão avaliados pelo Estado na segunda-feira (22). No mesmo dia, o governador Eduardo Leite divulgará as bandeiras definitivas, que passam a valer a partir de terça (23).

“A mudança de bandeira laranja para vermelha, da Região Metropolitana de Porto Alegre, anunciada hoje pelo governador, traz um alerta e muita preocupação. Estamos analisando todos os indicadores apresentados pelo governo do Estado para entender os motivos da alteração”, escreveu Busato.

O prefeito de Canoas também destacou o impacto com a troca da classificação de risco. “A medida acarreta uma série de restrições que impactam na vida da cidade e na retomada das atividades, o que nos traz apreensão. Vamos dialogar com responsabilidade, buscando equilíbrio, segurança e preservação de vidas”, publicou.

Eduardo Leite explicou que, se o nível vermelho se repetir na próxima rodada, na sexta-feira (26), terá obrigatoriamente de permanecer nesse grau por, pelo menos, mais outra semana. É uma forma de evitar uma flexibilização precoce.

Quais restrições a região terá?

Sob bandeira vermelha, o comércio de rua só pode funcionar para vender itens essenciais (artigos de saúde, alimentos, higiene, entre outros), e desde que com limitação de 50% no número de funcionários. Os demais tipos de estabelecimento devem permanecer fechados.

Nos shoppings, também só fica liberado o acesso a serviços como supermercados, farmácias e lavanderias, com 25% dos empregados. Restaurantes não podem receber clientes, apenas funcionar por telentrega, drive-thru ou retirada.