Foto: Agência GBC

A Agência GBC iniciou na noite do dia 13 a série de entrevistas com os candidatos à prefeitura de Canoas. O entrevistado desta quarta-feira (21) foi o Jairo Jorge (PSD).

Durante 20 minutos o candidato falou sobre seus planos para caso seja eleito prefeito de Canoas, o que o levou a concorrer ao cargo, questões econômicas que o município enfrenta, saúde, segurança pública e mobilidade urbana.

O candidato começou a conversa lembrando que em 2008, quando assumiu a prefeitura pela primeira vez, ele foi o primeiro prefeito de Canoas nascido no município. Ele também afirma que a situação da saúde da Canoas está um caos. “Há retrocesso na saúde, no transporte e em toda a cidade. Principalmente há dificuldades, como por exemplo as que os nossos hospitais estão passando. Quero recolocar Canoas no caminho certo”.
Segundo o candidato, agora não é o momento de ficar apontando os culpados pela forma como a saúde do município se encontra, é momento de encontrar soluções para melhorar esse quesito do município. “Queremos fazer com que Canoas volte a ser referência em saúde. Vou voltar com o tele agendamento, fazer mutirões de cirurgias e atendimentos. Vou buscar recursos com o presidente Jair Bolsonaro e com o governado Eduardo Leite”.

Jair Jorge reconhece as dificuldades que as pequenas empresas estão enfrentando para se manter nessa pandemia e também com a crise econômica, por isso propõe o projeto Juros Zero. “Queremos resgatar esse projeto de Lajes, Santa Catarina, se deu certo lá tem tudo para dar certo em Canoas. Nós já perdemos a Siemens que gerava empregos e perdemos a Amazon, que foi para Nova Santa Rita. Nós queremos atrair empresas que é o grande desafio que vamos enfrentar”.

Para o candidato, o principal “culpado” pelo transporte público estar defasado é a ineficiência da empresa responsável. “A perda de passageiros é culpa da ineficiência do próprio transporte coletivo. Temos que gerar um transpor eficiente. Ir atrás de empresas que funcionem. Proponho quatro em presas na cidade e que cada uma atue em um quadrante. Vamos abrir licitações com empresas competitivas”.

Na questão da segurança pública o candidato quer implantar sistemas novos e integrar a tecnologia com as rondas policiais, além de contar com o apoio do cidadão.