Foto: Dado Ruvic/Reuters

O ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, prometeu começar a vacinação contra o coronavírus no país até o final de fevereiro. Serão utilizados, para isso, os imunizantes desenvolvidos pela AstraZeneca em parceria com a Universidade de Oxford. A promessa foi feita em uma reunião com governadores na manhã desta terça-feira (8).

Conforme Pazuello, o governo federal já garantiu 100 milhões de doses dessa vacina e, segundo o ministro, as primeiras 15 milhões chegarão ao Brasil em janeiro. Outra previsão é de que as primeiras 8,5 milhões de doses da vacina desenvolvida pela Pfizer (o governo manifestou interesse na compra de 70 milhões) devem chegar ao país no primeiro semestre.

O ministro da Saúde também reforçou o compromisso na aquisição de vacinas contra a covid-19 e disse que o Brasil é “um só” quando se fala no Plano Nacional de Imunizações (PNI) e pediu união. “O PNI é nacional. Não pode ser paralelo. A gente tem que falar a mesma linguagem. Nós só temos um inimigo: o vírus. Temos que nos unir”.

Pazuello garantiu que já elaborou a logística de distribuição nacional das vacinas, que será apresentada em breve. O ministro pediu que todos os Estados sigam todos os passos para imunização da população, sem abrir mão da eficácia, segurança e responsabilidade. “Todas as vacinas que tiverem sua eficácia e registros da maneira correta na Anvisa, se houver necessidade, vão ser adquiridas. O presidente Jair Bolsonaro já deixou isso de forma clara. A Anvisa vai precisar de um tempo cumprindo essa missão. O registro gira em torno de 60 dias. Se tudo estiver redondo, teremos o registro efetivo da AstraZeneca no final de fevereiro, dando início à vacinação”, finalizou o ministro.