Foto: Polícia Federal/Divulgação

Foi extraditado o criminoso de Canoas que matou um casal carbonizado em 2015 está de volta ao Rio Grande do Sul. Ele era foragido da justiça e foi preso no Paraguai em 2017 participando de um esquema de contrabando de cigarros.

O criminoso ficou três anos aguardando o processo de extradição. Ele foi preso durante uma ação da Polícia Nacional do Paraguai que desarticulou uma quadrilha com 28 criminosos – 12 deles brasileiros – que usavam uma fazenda como entreposto para contrabandear cigarros para o Brasil. Além do processo na Justiça do Rio Grande do Sul, o extraditado é procurado pelas polícias do Mato Grosso do Sul e do Paraná por, pelo menos, outros quatro homicídios.

No Rio Grande do Sul, ele responde pelos homicídios dos catarinenses Paulo César Raichaski e Solange de Lima Vargas. Os corpos do casal foram encontrados carbonizados, na BR-448, em 26 de agosto de 2015. Na época, a investigação apontou que ele atuava como “pistoleiro”.

A cadeia para qual o criminoso foi levado, não foi informada. Por causa da lei de abuso de autoridade, o nome dele não foi divulgado. A ação da Polícia Federal (PF) teve o apoio da Interpol, Polícia Civil e da Susepe.