Foto: redes sociais

Completou um mês nesta quarta-feira (20) o sequestro de Leomar Machado. O morador da Vila Feliz, em Sapucaia do Sul, estava em casa na noite de 20 de dezembro quando, três criminosos armados invadiram o imóvel e levaram o homem que também era pastor em uma igreja do bairro.

No momento do crime, conforme o boletim de ocorrência registrado na Polícia Civil, apenas a enteada de 11 anos do pastor estava na residência. Ela viu tudo e relatou para os familiares. “Não aconteceu nada com a criança, ela não foi agredida nem nada, ela só presenciou a cena”, contou o delegado Gabriel Borges, titular da 1ª Delegacia de Polícia, que investiga o caso. Durante a fuga, criminosos deixaram o celular da vítima para trás.

Segundo o delegado, a vítima não tinha nenhuma relação com o crime organizado, porém os familiares acreditam que o sequestro possa estar relacionado a uma prisão feita pela Brigada Militar na região, na qual os policiais também apreenderam uma grande quantidade de drogas, pertencentes à organização criminosa que atua na região. Por isso, uma hipótese inicial, de acordo com Borges, é que o crime possa ter sido uma forma de represália, por parte dos criminosos, por acharem que Leonardo possa ter informado à polícia sobre a atividade criminosa.

Leomar ainda não foi localizado. O delegado ressaltou que já foram feitas buscas atrás do pastor em Cachoeirinha, Canoas, Montenegro e Nova Santa Rita. “Nossa investigação está avançada”, finalizou o delegado.