FOTO: Carina Jung/Câmara de Vereadores de Canoas

A Câmara de Vereadores de Canoas vota na tarde desta quarta-feira (27), o projeto de reposição dos servidores públicos ativos, inativos, pensionistas e cargos em comissão. Segundo a proposta do poder Executivo, a reposição é de 4,53%, dividida em quatro parcelas: janeiro, maio, agosto e dezembro. Mas nem todos os servidores estão de acordo com os valores.

A presidente do Sindicato dos Municipários de Canoas (Simca), Teresinha Antqueviezc Pruciano, enviou ao prefeito Jairo Jorge um documento pedindo a reposição inflacionária. “Reajuste não impede a reposição inflacionária. Nós estamos requerendo o que é direito do servidor. O congelamento do Governo Federal não atinge a reposição, isso já está no cálculo anual”, pontua.

Embora também defenda a reposição inflacionária, o presidente do Sindicato dos Profissionais em Educação Municipal de Canoas (Sinprocan), Júlio César Rodrigues, afirma que a categoria é a favor da proposta. “O Sinprocan fica surpreso com a reposição, pelo fato de ser inesperado, e feliz por ter o reajuste, mesmo que dividido em quatro parcelas. Esperávamos que fosse pelo INPC, um pouco abaixo da inflação, mas vai trazer um alento para os servidores que está a tento tempo sem receber aumento real de salário”, defende. O INPC (Índice Nacional de Preços ao Consumidor) é calculado pelo IBGE e mede a variação de preços para o consumidor. Os dados servem de referência nos reajustes. Em 2020, o acumulado é de 5,45%.

Sem reajustes

Em maio de 2020 o Governo Federal congelou os reajustes até 31 de dezembro de 2021 para todos os servidores dos municípios, estados e da União. Segundo a lei enviada pelo presidente Jair Bolsonaro e aprovada no Congresso, o reajuste é proibido até o final do ano e também não deve contar como tempo no período aquisitivo de bonificações como licenças, gratificações, triênios, licenças-prêmio e outras.