Foto: Itamar Aguiar/Palácio Piratini

Bruno Lara | brunolara@agenciagbc.com

A pré-candidatura de Eduardo Leite à Presidência é uma cortina de fumaça para sinalizar que Doria não é o dono do partido. Mira mais uma composição política do que de fato uma candidatura tucana.

Verdade é que João Doria não tem grandes raízes com o PSDB e não se espera dele grande fidelidade. Por isso, um grupo de deputados convocou o governador gaúcho para assumir essa linha de frente em contraponto ao governador de São Paulo. Não querem que as portas para negociações futuras fiquem fechadas. Leite não concorre a reeleição e não costuma perder a oportunidade de alçar o nome para o cenário nacional. É político habilidoso, formado para momentos como esse.

Nesse momento é importante avaliar o cenário de forma mais ampla:

Leite já foi cogitado como um possível vice de Luciano Hulk. Ele mesmo já admitiu conversas e chegou a dizer, em março de 2020, que o nome para 2022 pode estar fora do PSDB.

A aposta de alguns deputados da extrema-direita é que o vice-presidente General Mourão (PRTB) deve ser candidato ao Governo do Estado. As aparições discordando do presidente Jair Bolsonaro mostram que pode ser verdade, embora alguns acreditem que concorrerá ao Senado.

Em 2022, a eleição é para Presidente, Governadores, Deputados Federais e Senadores. A vaga para o Senado em disputa no Rio Grande do Sul é a de Lasier Martins (PDT).

Falando em Senado, quem tenta correr por fora para governar os gaúchos é Luis Carlos Heinze, do Progressistas, também nome dos mais conservadores. Quem se esforça para fazer esse movimento é o prefeito de Esteio, Leonardo Pascoal. Membros do PP acreditam que Heinze não renunciaria quatro anos de mandato para concorrer e que Pascoal busca ser o sucessor natural.

A esquerda segue enfraquecida. Nenhum nome aparece em evidência, com chances reais para concorrer à Presidência ou ao Governo do Estado. Lula tem focado em Fernando Haddad no PT. Para o governo, nomes com tradição como Olívio Dutra e Tarso Genro são lembrados vagamente como alternativas.

*Artigos assinados não representam a opinião da Agência GBC. Envie seu artigo para redacao@agenciagbc.com.