Foto: reprodução/redes sociais.

Um dos três moradores de Canoas presos pelo desaparecimento de Amanda Albach de 23 anos está confessando o crime. A informação é da Polícia Civil de Santa Catarina. Ele indicou onde estava o corpo nesta sexta-feira (3) e contou que ela foi morta com tiros na cabeça. Antes disso, ela foi coagida a cavar a própria cova, A informação foi passada pela polícia em uma coletiva de imprensa.

De acordo com o apurado pela polícia, Amanda saiu da casa em que morava com os pais na cidade de Fazenda Rio Grande, no Paraná, para passar o feriadão de Proclamação da República com a amiga em Imbituba (SC). Lá, além da mulher também a esperavam dois homens, que são irmãos.

Após uma festa no dia 14 de novembro em Jurerê Internacional, Amanda desapareceu. O trio, que começou a ser investigado, negou saber de qualquer coisa e voltou para Canoas. Eles moram no bairro Niterói. Contra eles, segundo o delegado Bruno Pereira Fernandes da DIC Laguna, há três mandados de prisão temporária expedidos pela Justiça. Além disso, o delegado afirma que a suspeita da polícia é que a jovem esteja morta, mas o corpo ainda não foi encontrado. “Eles deram um depoimento totalmente mentiroso durante a investigação”, afirma Fernandes.

A identidade dos envolvidos ainda não foi divulgada. Os três estão sendo investigados