Uma mulher de Campo Grande, no Mato Grosso, está processando o C6 Bank, banco digital, por receber um cartão de crédito com o seu nome trocado pela palavra “vagabunda”. A instituição nega e diz que ela mesma fez a solicitação. A ação pede indenização de R$ 50 mil.

Ao G1, o advogado Ederson Lourenço, que representa a mulher, disse que ela recebeu o produto que havia solicitado há dois dias durante uma confraternização com amigas e achou graça. Depois, porém, se sentiu ofendida. “Fiz o pedido pelo aplicativo. Entrei na aba para pedir um novo cartão e solicitei, o aplicativo não pediu alteração de dados em nenhum momento, apenas solicitei. Jamais faria isso. O meu primeiro cartão estava normal, não fiz nada além de pedir o cartão normalmente”, diz ela ao G1.

O C6 Bank informou que a solicitação foi feita pela própria cliente. “Checamos os logs de acesso ao nosso app e, segundo os registros, o pedido do cartão com o nome foi feito pelo aplicativo da usuária, em transação autenticada por senha, sem interferência de nenhuma pessoa no processo. A cliente poderá fazer a reemissão do cartão sem nenhum custo”, afirma em nota.

Ainda segundo a empresa, não pode divulgar as informações, mas se colocou à disposição da mulher. “Em cumprimento ao disposto na Lei Complementar nº 105/2001, não podemos fornecer a terceiros informações de operações ativas e passivas de serviços bancários, sob pena de quebra de sigilo bancário. As informações somente podem ser fornecidas diretamente ao consumidor ou na forma autorizada na citada lei. Estamos à disposição dos clientes para esclarecer dúvidas, resolver qualquer problema e apurar todos os casos”.