FOTO: Internet/Reprodução

Da redação | Em apenas cinco horas, choveu mais do que a média histórica do mês de dezembro em Viamão, de acordo com a MetSul Meteorologia. Às 10h30min desta quinta-feira, a precipitação já havia acumulado 110 milímetros na cidade da Região Metropolitana.

A chuva torrencial desta quinta-feira invadiu residências, alagou ruas e transbordou arroios no município. Algumas famílias precisaram da ajuda dos Bombeiros para deixar suas casas, outras permanecem ilhadas até a chegada de ajuda. O levantamento dos estragos ainda está sendo contabilizado pela prefeitura de Viamão, mas ao menos seis regiões já foram identificadas em situações críticas, sendo que algumas famílias perderam todos os pertences.

Uma das regiões que mais preocupa a prefeitura é o bairro Augusta, devido ao transbordamento do arroio Feijó que passava por revitalização. O transbordamento do arroio pode causar transtornos em Alvorada, também na Reigão Metropolitana, onde ele termina.

As unidades básicas de Saúde Augusta Marina e Augusta Meneguine encontram-se fechadas em virtude do alagamento da região. Uma estratégia de reforço para atendimento aos moradores das Augusta e de outras regiões foi montada nas unidades de saúde Cecília e Monte Alegre.

Todas as escolas municipais estão abertas para oferecer ajuda a quem precisar. A prefeitura informa que famílias desalojadas e desabrigadas podem ir até as escolas que receberão todo o apoio necessário.

Pedidos de ajuda

– Os pedidos de ajuda podem ser feitos através do canal “Fala Cidadão” pelo telefone 156 (desde que a ligação seja feita de Viamão) ou (51) 3492-7672 e (51) 3492-7600;

– Diretamente no Setor da Prefeitura, na praça Júlio de Castilhos, s/nº, de segunda a sexta-feira, das 8h30 às 12h e 13h30 às 17h;

– Através do e-mail falacidadao@viamao.rs.gov.br e falacidadao156@gmail.com;

– Por mensagem inbox na página do Fala Cidadão no Facebook;

– Chat do site da Prefeitura, desde que seja informado seu CPF, telefone e endereço completos, bem como, descrevendo o fato a ser protocolado.

Muitas famílias perderam todos os seus pertences e ainda estão necessitando, com urgência, de doação de colchões, alimentos, roupas de todos os tamanhos (adulto e infantil) e fraldas descartáveis. Quem quiser ajudar as famílias atingidas, pode levar roupas e alimentos nos Cras das regiões. Já os colchões podem ser levados para a Fábrica da Cidadania, na ERS 040, parada 36, atrás da UPA.