FOTO: Jaime Zanatta/GBC

Da redação | Os alunos do Ensino Fundamental do Colégio Espírito Santo de Canoas, na Região Metropolitana de Porto Alegre, realizaram o projeto CES pela Paz.

Idealizado pela professora do Jardim A, Carine Diemer, o projeto trouxe o tema da Campanha da Fraternidade para dentro da sala de aula. “Observamos o comportamento deles dentro da escola e por isso trouxemos o assunto de uma forma mais concreta para eles, com diversas atividades e até um mascote”, contou a professora.

Para Carine, um dos principais desafios do projeto foi transformar ao tema paz em algo palpável. “Para eles o assunto é bem abstrato e pra nós era bem difícil de achar uma maneira de falar desse tema sem causar medo”, ressaltou.

O engajamento foi total, tanto dos professores, passando pelos alunos e chegando nos pais. “Ajudamos eles a entenderem os conflitos do cotidiano infantil”, afirmou Carine.

Por isso, na última sexta-feira (13) os alunos do Jardim B formaram a palavra Paz na Rua Tamoio em frente à escola.

Campanha da Fraternidade 2018*

Este ano, a campanha teve o tema Fraternidade e Superação da Violência. O documento aponta formas e tipos de violência no Brasil, dando destaque às praticadas contra os negros, os jovens e as mulheres. “Os grupos sociais vulneráveis são as maiores vítimas da violência”, disse o presidente da Confederação Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), cardeal Sérgio da Rocha.

“A Igreja sempre tem alertado sobre a perda de direitos sociais. Não podemos admitir que os mais pobres arquem com sacrifícios maiores. Precisamos de políticas públicas para nos ajudar a superar e a assegurar os direitos fundamentais que as pessoas têm”, defendeu o cardeal.

O presidente da CNBB listou também como prática violenta, a corrupção. “A corrupção é uma forma de violência, e ela mata”, disse o cardeal. Segundo ele, “ao desviar recursos que deveriam ser usados em favor da população, os políticos acabam promovendo uma outra forma de violência contra o ser humano, a miséria”.

*Com informações da Agência Brasil