Foto: Vinícius Thormann/ Secom Canoas/ Divulgação

Da redação | Desde o início de 2017, mais de mil residências populares foram entregues a famílias de baixa renda em Canoas, dentro do programa federal Minha Casa Minha Vida.

Após um início de 2017 conturbado por conta de ocupações irregulares no Residencial Macroquarteirão 4 (MQ4), no bairro Guajuviras, entrou em ação uma força-tarefa a fim de garantir que os contemplados tomassem posse das suas residências.

Em três etapas, foram 426 casas e sobrados entregues. Em janeiro do ano passado, também foram entregues as chaves das 280 residências do Condomínio João de Barro I, localizado no bairro Niterói.

Nas vésperas do último Natal, mais 300 famílias receberam as chaves dos apartamentos do Residencial Macro Quarteirão 3C (MQ3C), também no bairro Guajuviras. Em maio deste ano, foi realizada a entrega de 32 novas unidades residenciais no Condomínio Morada Cidadã, no bairro Fátima.

Novos projetos

Em fevereiro deste ano, a Prefeitura de Canoas assinou contrato com a Caixa Econômica Federal para a construção de mais 500 unidades habitacionais do Programa Minha Casa Minha Vida. Os empreendimentos serão construídos em áreas doadas pelo município nos bairros Fátima e Olaria. A previsão de entrega para ambos é no prazo de 18 meses.

O empreendimento do bairro Fátima terá um total de 300 apartamentos divididos em 15 blocos, sendo que 3% das unidades são adaptadas a pessoas com deficiência. O status da construção está em 21%.

Já no bairro Olaria serão 200 apartamentos divididos em 10 blocos, também com 3% deles adaptados. A obra encontra-se na fase inicial, estando 6,81% executada.

Além destes, já em andamento, a Prefeitura de Canoas ainda aguarda autorização do Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (DNIT) para licitar a Concorrência Pública do remanescente da infraestrutura do Loteamento Canoas Minha Terra II, permitindo assim a construção de mais 24 casas, através do Programa Minha Casa Minha Vida, sendo possível concluir o reassentamento das famílias que ocupavam áreas na BR-448. A liberação se dá em conformidade ao Termo de Compromisso firmado entre o DNIT e o Município de Canoas, por ocasião da construção da Rodovia do Parque.