FOTO: Polícia Civil/Divulgação

Da redação | Desde que foi preso no último sábado (15), Evandro não falou sobre a morte de Elaine Silva da Silva. Ele foi encontrado em um hotel de Cruz Alta, no Noroeste do Rio Grande do Sul.

No último domingo (16), a Justiça decretou a prisão preventiva de Evandro por causa da morte de Elaine. Mesmo assim, ele segue sem se manifestar sobre o crime. Nesta quarta-feira (19), uma equipe da 1ª Delegacia de Cachoeirinha vai para a cidade para ouvir o preso. O objetivo dos investigadores é descobrir a motivação e o local exato do crime.

Prisão

A polícia chegou até ele por causa de uma denúncia anônima. O delegado Rafael dos Santos, plantonista da Delegacia de Polícia de Pronto Atendimento (DPPA) de Cruz Alta, afirmou que a BM recebeu uma informação sobre o paradeiro de Evandro. “Ainda não podemos afirmar se alguém da cidade reconheceu ele, ou se a denúncia partiu de alguma pessoa próxima a ele, que sabia para onde ele iria.”

Evandro estava em um hotel da cidade. Ele chegou ao local no final da madrugada de sexta-feira (14) utilizando nome e documento falso. Para a recepcionista, o preso disse que estava vindo de Soledade.

Alcoolizado, Evandro pegou uma faca e tentou investir contra os policiais para não ser preso. No local, foram encontradas duas garrafas de vodka e o documento verdadeiro. Depois de sair do hotel, o preso precisou ser levado para a Unidade de Pronto Atendimento (UPA) de Cruz Alta por estar desacordado. Lá, a simulação foi descoberta pelo médico de plantão, mas mesmo assim ele foi medicado.

Evandro foi autuado em flagrante por falsidade ideológica e resistência.

O crime

O corpo de Elaine e o veículo foram encontrados na última quinta-feira (13), em um matagal, nas proximidades da ERS-020, no distrito de Morungava. O corpo da mulher estava coberto por folhas e não há informações sobre a causa da morte.