Foto: Polícia Rodoviária Federal/Divulgação

Da redação | A BR-386 pode ser considerada uma das rodovias mais perigosas do Rio Grande do Sul. No trecho entre Canoas e Nova Santa Rita, na Região Metropolitana, onde ela é popularmente chamada de Tabaí, a situação não muda. Ela já registrou mais de cinco óbitos nos sete meses de 2019.

Um dos acidentes mais graves aconteceu em março. A colisão envolveu um Ford Ka e um Golf de Nova Santa Rita, além de um GM Corsa de Canoas, onde estava Roberto Machado de Souza de 47 anos. No primeiro veículo, estavam Adriano Dietrich de 36 e Cassiano Dietrich de 9 anos, eles eram pai e filho. Conforme a Polícia Rodoviária Federal (PRF), o Corsa trafegava no sentido Capital – Interior, invadiu a pista contrária e colidiu nos outros carros.

Leia mais:

Criança que morreu na BR-386 em acidente estava indo para a escola com o pai

Ainda no mesmo trecho da rodovia, na altura do quilômetro 442, um acidente envolvendo uma moto, um carro e um caminhão, acabou na morte do condutor de um VW Gol e do motociclista. As vítimas foram identificadas como Anderson Peres Araújo e Geovanni de Barros Souza.

O acidente foi em um dia de chuva intensa na região (Foto: Polícia Rodoviária Federal/Divulgação)

Em Canoas, mais dois acidentes graves foram registrados pela equipe da Agência GBC. Um deles, envolveu um HB 20 de Belo Horizonte e uma moto com placas de Portão, no Vale do Sinos. Conforme relato do motorista, ele foi até o acostamento para fazer uma conversão a esquerda e entrar no estacionamento de uma churrascaria nas margens da rodovia. “Eu não percebi que ela estava se aproximando rápido e quando vi colidimos”, comentou o condutor que prefere não ser identificado. Com o impacto da colisão, a moto foi parar no canteiro. Já o motociclista foi arremessado a cerca de 100 metros do local da batida. Com uma fratura exposta na perna, ele foi socorrido pelo Samu. Em julho, uma colisão entre dois veículos, deixou três pessoas feridas.

Leia mais:

Junho termina com cinco mortes no trânsito em Canoas

Na cidade vizinha

Em Nova Santa Rita, o primeiro acidente fatal aconteceu em janeiro. Um ciclista de 74 anos morreu depois de colidir contra uma caminhonete Fiat Toro no sentido Capital – Interior.

No mês de julho, foram dois acidentes com óbitos. O primeiro, uma colisão entre dois caminhões deixou um motorista morto no quilômetro 432. A vítima fatal conduzia um Scania que foi atingido por um Bitrem. O segundo veículo tombou.

O segundo vitimou a estudante Maria Cecília Fernandes Viegas de 19 anos.  Ela conduzia um Pálio Weekend pela BR-386, em Nova Santa Rita, quando foi atingida por um caminhão que invadiu a pista contrária. “Ela foi para casa buscar o teclado para tocar e cantar na missa. Quando estava na rodovia, um caminhão desgovernado bateu no carro dela. Foi morte instantânea, sem chance”, contou a mãe, Eliane Goret. Para a PRF, o motorista do caminhão disse que tentava uma ultrapassagem pela faixa da esquerda, quando o condutor de uma carreta, que estava na faixa da direita, também tentou a manobra. Para evitar a colisão com a carreta, acabou invadindo o sentido oposto. O trecho tem duas pistas para cada sentido.

O carro conduzido por Maria Cecília ficou destruído (Foto: Polícia Rodoviária Federal/Divulgação)

Ainda no município, aconteceram acidentes com feridos. Um deles envolveu quatro veículos no quilômetro 438. Em outro, com três carros, um bebê foi projetado para fora e acabou caindo na rodovia.

Leia mais:

“Minha filha era uma pessoa pura”, diz mãe de jovem morta na BR-386

Conforme levantamento feito pela Agência GBC, até o dia 29 de julho, foram oito mortes nos trechos da BR-386 nas cidades de Canoas e Nova Santa Rita.

Acidente envolvendo canoenses

Ainda na BR-386, moradores de Canoas acabaram morrendo em acidentes de trânsito. Porém, as ocorrências foram em municípios do interior.

O mais grave aconteceu em Marquês de Souza. um Citroën C4, emplacado em Lajeado, trafegava no sentido Interior – Capital, quando invadiu a pista contrária e colidiu em um Chevette, de Canoas, que vinha no sentido contrário. Pai e filho, um bebê de sete meses, morreram. O motorista Marcos Alciones Weiss, 42 anos, foi denunciado pelo Ministério Público (MP) por duplo homicídio com dolo eventual e duas tentativas de homicídio. Para o MP, o condutor assumiu o risco de matar ao dirigir depois de ter ingerido bebida alcoólica. No mesmo dia do acidente, ele foi preso em flagrante e depois preventivamente.

Carro em que estava a família de Canoas ficou totalmente destruído (Foto: PRF/Divulgação)

Entre Sarandi e Almirante Tamandaré do Sul, uma colisão entre três carros e um caminhão deixou duas pessoas mortas. Ademir Ohse, 51 anos, conduzia um Uno, emplacado de Canoas, que foi atingido por um VW Gol, que colidiu em um caminhão e invadiu a pista contrária.

Já no município de Tabaí, um idoso 66 anos morreu em um acidente na rodovia. Ele conduzia um Renault Fluence com placas de Canoas pelo sentido Interior – Capital, quando saiu da pista e capotou, o veículo foi parar no canteiro central da rodovia. A vítima estava sozinha no veículo.