Foto: Polícia Civil/Divulgação

Da redação | Um dos presos durante a Operação Inviolável na manhã desta quarta-feira (31) é um criminoso que atacava a própria família. A tia e a mãe dela, foram alvos dele, quatro vezes.

Conforme o delegado Rodrigo Caldas, titular da 2ª Delegacia de Polícia, o criminoso assaltou a tia pela 1ª vez na rua. Depois, ela e a mãe chegavam em casa quando ele e mais comparsas a surpreenderam ainda na rua, dentro do carro. Nessa ocasião, eles levaram R$ 28 mil da casa e outros pertences.

Depois disso, o bandido continuou agindo contra a família. Ele assaltou a tia mais uma vez e depois a mãe dela também foi vítima. Segundo o delegado, elas só souberam que ele era o autor dos crimes após a investigação. “Colhemos a provas e elas fizeram o reconhecimento dele. Depois que as vítimas já sabiam, ele passava pela tia na rua e intimidava ela. Diversas vezes ela nos ligou para pedir que ele fosse preso”, relata Caldas.

Operação Inviolável

Cerca de 60 agentes cumpriram 17 ordens judiciais. Sete eram de prisão temporária, um de preventiva e nove de busca e apreensão. Além de Canoas, a caçada aos criminosos acontece em Nova Santa Rita e Eldorado do Sul. Seis pessoas foram presas.

Conforme o delegado Caldas que coordenou os três meses de investigação, além do sobrinho, outros seis homens e duas mulheres eram os alvos. Eles são suspeitos de roubos a residências e a pedestres que acontecem entre fevereiro e maio de 2019. “Os criminosos atuavam com muita violência”, comenta.

O diretor da 2ª Delegacia de Polícia Regional Metropolitana – (2ª DPRM), delegado Mario Souza, pontuou que “o combate a essa modalidade de roubo se faz necessária uma vez que é uma ação criminosa que adentra o seio familiar. É por meio de um trabalho minucioso de inteligência e investigação policial que foi examinado cada caso de roubo no município de Canoas suspeitos de terem sido cometidos por essa quadrilha.”

Outras ocorrências

Além dos roubos a residências, a quadrilha também atuava de forma mais enérgica no bairro Niterói.

Em maio, uma adolescente de 15 anos foi abordada por um casal armado dentro de um veículo. Ela ia para a escola e teve mochila e celulares roubados.

No outro caso, uma mulher teve o telefone roubado por um indivíduo em uma bicicleta.