Foto: Jaime Zanatta/GBC

Da redação | O incêndio no coletivo da Vicasa no inicio da madrugada desta terça-feira (27) já está sendo investigado pela Polícia Civil. O caso pode estar relacionado ao tráfico de drogas.

Conforme apurado pela Agência GBC nos momentos após o caso, a ação pode ter sido uma represália. O parente de um traficante foi preso nos últimos dias e, por causa disso, criminosos mandaram atear fogo no ônibus.

Leia mais:

Grávida se jogou de janela para fugir de incêndio em ônibus em Canoas

Testemunhas relataram que quatro criminosos, encapuzados, chegaram em um Palio de cor branca. Carregando combustível em garrafas, os homens entraram e jogaram o líquido inflamável no ônibus. Na sequência, eles teriam mandado os ocupantes do coletivo saírem do veículo – um modelo articulado, que fazia a Linha Integração Mathias Velho.

O incêndio assustou moradores do bairro (Foto: Corpo de Bombeiros/Divulgação)

O incêndio foi controlado pelo Corpo de Bombeiros Militar. As chamas também danificaram a parada de ônibus e chamuscaram algumas áreas nas proximidades. O Instituto Geral de Perícias (IGP) foi acionado para avaliar a cena do crime, que foi isolada pela Brigada Militar (BM). Os autores fugiram no carro e não foram localizados.

A caça aos criminosos está acontecendo na cidade. O patrulhamento foi reforçado tanto pela BM quanto pela Polícia Civil.

Feridos

Pelo menos 14 pessoas ficaram feridas. Aproximadamente 10 pessoas foram conduzidas ao Hospital de Pronto Socorro de Canoas (HPSC), algumas por terem inalado fumaça. Uma delas, um idoso, foi encaminhado em estado grave de saúde, por causa da inalação de grande quantidade da fumaça.

Um passageiro ficou com as mãos machucadas. Ele quebrou as janelas para conseguir fugir. “Em cinco anos que pego essa linha, nunca vi nada disso”, relatou o homem que preferiu não ser identificado.