Foto: Agentes de Trânsito de Cachoeirinha/Divulgação

Da redação | Os agentes da 1ª Delegacia de Polícia de Cachoeirinha, na Região Metropolitana, concluíram nesta segunda-feira (2) uma parte da investigação do caso onde uma mulher teve o rosto queimado. Eles chegaram a conclusão que ela sofreu as lesões ao tentar cometer suicídio.

O caso aconteceu na última sexta-feira (30). Inicialmente, o caso foi registrado como tentativa de assalto, já que ela contou ao homem que a socorreu na Vila Parque Brasília, que teve o celular levado. Porém, os investigadores encontraram o aparelho queimado na churrasqueira da casa dela, junto com uma garrafa de álcool.

Conforme o delegado Leonel Baldasso, que coordenou a investigação, familiares contaram que ela passava por problemas pessoais e que já havia tentado comer suicídio outras vezes. “A gente conversou com parentes dela. Eles suspeitavam do fato”.

Além disso, o delegado também ressaltou que um vizinho sentiu cheiro de queimado no dia do falso crime. “Ela ateou fogo ao próprio corpo. Com as provas encontradas na residência dela, consideramos o caso encerrado.”

A polícia deve ouvir mais testemunhas antes de concluir o inquérito, mas descarta que tenha ocorrido crime nesse caso. 

Estado de saúde

A mulher de 52 anos está internada na UTI de um hospital de Porto Alegre. Ela teve 8% do corpo atingido e está com queimaduras de terceiro grau.

Médicos do hospital onde a mulher está internada confirmaram que os ferimentos foram causados por produto inflamável, afastando a possibilidade de líquido corrosivo.