Foto: Prefeitura de Sapucaia do Sul/Divulgação

O prefeito de Sapucaia do Sul, Dr. Luis Rogério Link, anunciou nesta segunda-feira (20) um novo decreto prorrogando as medidas de restrição estabelecidas pelo decreto anterior, que esta em vigor até o dia 21 de abril, no município. As novas medidas passam a valer até o dia 05 de maio. Além de manterem o isolamento social e o fechamento do comércio, flexibilizam algumas atividades, permitindo a abertura dos serviços óticos, salão de beleza, igrejas e estabelecimentos de serviços de conserto de celulares e computadores, respeitando alguns critérios.

Quer mandar sugestões de pauta e flagrantes da sua cidade? Então, anote nosso WhatsApp: (51) 9 8917 7284

Para o prefeito, o isolamento e o distanciamento social é a arma mais importante para conter o avanço rápido do novo coronavírus. “Estamos seguindo rigorosamente o decreto do Governador do Estado, com algumas restrições a mais. Temos certeza, que o número reduzido de casos e nenhuma morte no município resultam das medidas restritivas que tomamos com antecedência. Estamos zelando pela saúde dos sapucaienses, que para nós é o mais importante nesse momento”, afirmou.

O que pode abrir com o decreto

Os serviços que terão a abertura permitida, com o novo decreto, deverão obedecer às orientações de uso obrigatório de máscara e equipamentos de proteção, de não aglomeração de pessoas, da disponibilização de álcool gel e de higienização dos ambientes. Os salões de beleza poderão atender apenas com horário marcado, sendo que os maiores com 30% da capacidade, e deverão ser higienizados entre um cliente e outro. As igrejas poderão estar abertas, mas com limite de 10 pessoas no seu interior, respeitando o distanciamento, com o uso obrigatório de máscara e com álcool gel disponível. Também foi regrado pelo decreto as filas nos bancos e lotéricas, onde os estabelecimentos deverão ficar responsáveis pelo respeito ao distanciamento de 1,5 metros entre as pessoas.

Além destes serviços flexibilizados, continuarão em funcionamento os estabelecimentos que prestam serviços essenciais, como supermercados, farmácias, padarias, clínicas de saúde, restaurantes, lojas de materiais de construção e ferragens, postos de gasolinas, agropecuárias, oficinas mecânicas, agências bancárias e distribuidoras de gás. Além de serviços de assistência à saúde, incluindo serviços médicos e hospitalares, assistência social; segurança pública e privada; transporte de passageiros e de cargas; telecomunicação, lavanderias; iluminação pública, serviços de água e esgoto, entre outros.