Foto: Jaime Zanatta/GBC

Visando a segurança da comunidade canoense e a prevenção ao crescente número de casos da Covid-19 no país, a Prefeitura de Canoas convocou uma reunião extraordinária com representantes das secretarias municipais de Desenvolvimento Econômico (SMDE), Saúde (SMS), Meio Ambiente (SMMA), Relações Institucionais e Comunicação (SMRIC), Transportes e Mobilidade (SMTM) e Segurança Pública e Cidadania (SMSPC). O encontro ocorreu no Gabinete de Gestão Integrada Municipal (GGIM), onde estratégias de fiscalização sobre o cumprimento do decreto 115 foram alinhadas. O documento, publicado no feriado de 1º de maio, permite a retomada gradual do comércio e da indústria na cidade desde que sejam seguidas as normas de segurança e higienização. 

Quer mandar sugestões de pauta e flagrantes da sua cidade? Então, anote nosso WhatsApp: (51) 9 8917 7284

O objetivo do governo municipal é fazer com que haja equilíbrio entre a preservação da saúde dos canoenses e o funcionamento das atividades econômicas que, por mais de quarenta dias, estiveram suspensas em decorrência do coronavírus. Dentre as exigências decretadas, estão a limpeza das superfícies de toque como mesas, equipamentos, cardápios, teclados, etc. antes e após o uso; disposição, em local de fácil acesso, de álcool em gel 70%; facilitação de correntes de ar com janelas abertas; limite de ocupação de no máximo 50% do que é definido no PPCI; e o monitoramento dos empregados, que devem utilizar durante a jornada de trabalho equipamentos de proteção individual (EPIs).

Além disso, os clientes também deverão se adequar às regras para poder ingressar em qualquer tipo de comércio, usando máscaras ou protetor facial ininterruptamente quando não estiverem ingerindo alimentos, bebidas ou medicamentos e se submetendo à medida de temperatura.

O prefeito do município, Luiz Carlos Busato, ressalta que a maioria expressiva dos canoenses tem sido responsável ao utilizar máscaras e evitar a proliferação do coronavírus. Exemplos de solidariedade podem ser visualizados facilmente nos bairros, nos supermercados e no transporte coletivo e individual, como táxis e serviços de aplicativo. A conscientização, segundo Busato, é fundamental para evitar o colapso do sistema de saúde enquanto os quatro hospitais de campanha com 932 leitos exclusivos ao tratamento de pacientes com a doença são finalizados. 

Na fiscalização das desobediências ao decreto, atuam de forma conjunta as forças de segurança da Guarda Municipal, Brigada Militar e Polícia Civil. Os comerciantes que descumprirem as normas serão autuados e, no caso de reincidência, poderão receber multa de mais de 100 a 5.000 URMs, interdição e cassação do alvará.