Foto: Gustavo Mansur / Palácio Piratini

O governador Eduardo Leite avaliou nesta terça-feira (22) a evolução da pandemia do coronavírus na Região Metropolitana de Porto Alegre. Pelo plano de distanciamento controlado, o aglomerado que compreende Canoas e outros 17 municípios (R08) foi classificado pela bandeira vermelha.

A classificação de alto risco para o coronavírus havia sido anunciada no sábado (20), mas o Governo do Estado estipulou um prazo de até 24 horas para que municípios encaminhassem um recurso, explicando os motivos que levariam o governador reconsiderar a bandeira laranja.

No fim da tarde desta segunda-feira (22), em transmissão ao vivo pelas redes sociais, Leite confirmou a permanência de Canoas e outros 17 municípios da região de agrupamento R08 na bandeira vermelha. Os dados apresentados no recurso foram insuficientes para a manutenção da bandeira laranja.

Em entrevista à Rádio Gaúcha, Leite destacou a evolução do número de internações em UTI no último mês. Segundo ele, a região passou maio com cerca de 50 a 60 pacientes com Covid-19.

Porém, o governador salientou que esse indicador aumentou expressivamente, chegando até 110 no começo de junho. “Se mantiver essa curva, vai se tornar insustentável”, pontuou Leite, mesmo com o acréscimo de novos leitos.

As prefeituras de Canoas e Esteio abriram 16 novos leitos de UTI, sendo 10 no Hospital de Pronto Socorro (HPSC) e três no Hospital Universitário (HU), ambos em Canoas, e seis no Hospital São Camilo, em Esteio.

Eduardo Leite ressaltou a importância das restrições, uma vez que as medidas fazem com que outros tipos de vírus também circulem menos. “Estamos monitorando para evitar uma sobreposição de doenças, o que resultaria em um colapso mais rápido”, pontuou.