Foto: Prefeitura de Canoas

A Secretária Estadual da Saúde, Arita Bergmann, disse nesta sexta-feira (03) que o Governo do Rio Grande do Sul está trabalhando para buscar soluções para o problema da falta de medicamentos, como anestésicos, utilizados para a entubação de pacientes.

Na quinta-feira (02), o prefeito de Canoas, Luiz Carlos Busato, anunciou que os leitos de UTI da cidade não receberão novos pacientes enquanto o estoque com os insumos não for normalizado.

Leia também >> “Tenho alertado há três semanas sobre isso”, diz prefeito de Canoas sobre falta de medicamentos

Segundo Arita, o governo estadual está em contato com o Ministério da Saúde. Há dificuldade de compra ou envio dos materiais em hospitais no Estado.

Os anestésicos, por exemplo, são utilizados em pacientes com coronavírus. Como essas pessoas podem passar muito tempo nas UTIs, o consumo é acelerado.

Em Canoas, a suspensão de atendimento de novos pacientes é uma forma de evitar mais problemas no serviço de saúde. A gestão municipal já conseguiu mais de 800 medicamentos com a Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS).

“É melhor bloquear e não receber pacientes do que receber pacientes e eles morrerem por falta de medicamento”, justifica Busato.