Foto: Agência GBC

A Agência GBC iniciou na noite do dia 13 a série de entrevistas com os candidatos à prefeitura de Canoas. O entrevistado desta quarta-feira (28) foi o Pablo Henrique (PSOL).

Durante 20 minutos o candidato falou sobre seus planos para caso seja eleito prefeito de Canoas, o que o levou a concorrer ao cargo, questões econômicas que o município enfrenta, saúde, segurança pública e mobilidade urbana.

O candidato começou a conversa falando sobre como foi convidado a concorrer pelo PSOL. “Eu sou aquele candidato que não queria ser candidato, porém, as circunstâncias da política nacional e estadual nos obrigaram a construir alternativas políticas. O partido me convidou, pois queria que uma figura da educação o representasse. Trabalhamos com as questões da saúde, servidores públicos e defesas das pautas LGBTQ+. Eu e a Daniele aceitamos esse desafio”.

Segundo o candidato, a participação da população nos espaços políticos é um dos principais eixos que quer trabalhar em sua gestão, caso seja eleito. “Queremos que as pessoas se empoderem na política. Fazemos este convite para as pessoas.”

De acordo com Pablo, na educação, a primeira coisa a ser feita será chamar os professores para elaborar um novo plano de carreira, assim que o poder executivo for efetivado. “Com a nova verba do Fundeb, vamos garantir que 70% dessa verba seja revertida para o salário dos educadores. Todos os candidatos do PSOL no Brasil têm o compromisso de equiparar o salário dos prefeitos e professores”, afirma.

Na saúde, Pablo reconhece que o município recebe verbas da União e Estado, porém, segundo ele, ao invés de investir esses recursos, o município terceiriza os serviços da saúde. “Queremos a municipalização e melhorar os serviços da saúde. O município tem a responsabilidade de gerir melhor esses recursos. Queremos que as pessoas venham para Canoas e, através de concursos públicos, construam uma carreira pública na saúde”.

Para o candidato, na área de segurança pública, o primeiro passo será o fortalecimento do Conselho Municipal de Segurança, onde as pessoas possam participar e auxiliar na segurança pública. “Também queremos investir na iluminação pública. É algo simples, pois muitas mulheres sentem medo ao voltar para casa à noite depois do trabalho”.

Na questão do transporte público, o candidato usa Porto Alegre como exemplo, pois segundo ele, na capital há excelência nas empresas públicas de transporte. Ele acredita que dar transporte gratuito é garantir aos cidadãos outros direitos. “Acreditamos que colocar o transporte público gratuito garantirá o acesso ao médico, à escola entre outros direitos. Além de toda a questão ambiental envolvida. Gostaríamos que todos pudessem usar o transporte público gratuitamente, independente de seu poder econômico”.