Foto: Reprodução

A viúva do homem espancado até a morte dentro de uma filial do Carrefour, em Porto Alegre, Milena Borges Alves, recusou R$ 1 milhão em proposta de acordo com a empresa. João Alberto, de 40 anos, foi agredido por dois seguranças no estacionamento do hipermercado.

Essa foi a última proposta de acordo. Os advogados da viúva encerraram as negociações com o Carrefour e vão entrar na justiça. O objetivo é cobrar até R$ 15 milhões de indenizações por dano moral e material.

Leia mais em:

Sob aplausos e pedidos de justiça, corpo de homem morto no Carrefour é enterrado

Um dos motivos para a recusa é que o valor oferecido pela rede de supermercado é o mesmo pago pela morte do cão Manchinha, após ser espancado por um segurança, também no Carrefour de Osasco (SP). O caso aconteceu em 2018. A marca francesa assinou um termo de compromisso e destinou R$1 milhão para órgãos ligados à causa animal.