Foto: Tony Capellão/Prefeitura de Canoas

A Prefeitura de Canoas começou a realizar o Levantamento Rápido de Índices para Aedes aegypti (LIRAa), com o objetivo de identificar focos de dengue na cidade. Agentes da Vigilância em Saúde visitam, ao longo da semana, residências em todos os bairros da cidade. Até o momento são 35 casos suspeitos da doença e cinco confirmados.

Leia mais notícias de CANOAS

Do total, 21 foram descartados e dez seguem em investigação. Dos cinco casos positivos, três foram importados de pessoas que estiveram no município de Santa Cruz do Sul, e dois autóctones, um contraído no bairro Igara e outro no Estância Velha. No mesmo período em 2020, foram 113 notificações de casos suspeitos.

As equipes farão coletas de amostras de água para verificar a proliferação de larvas do mosquito Aedes aegypti, transmissor da dengue, zika e chikungunya. Depois da análise do material, está previsto o processo de fumacê em ruas e calçadas para eliminação dos focos.

Devem ser realizadas também campanhas de prevenção voltadas às comunidades com maior nível de infestação pelo mosquito da dengue. Pelos dados atuais, os bairros Rio Branco e Igara apresentam maior incidência. A Secretaria Municipal da Saúde alerta sobre a importância de os moradores receberem as equipes, que estarão devidamente identificadas com crachá e uniforme da Vigilância em Saúde.

A secretaria da Saúde alerta que a dengue pode ser prevenida com medidas simples. “É uma doença que pode ser evitada com prevenção”, enfatiza o secretário municipal da Saúde, Maicon Lemos.

Segundo ele, o apoio da população é de extrema importância para evitar um surto de dengue na cidade. Entre as ações para evitar a proliferação do mosquito, estão a eliminação de recipientes com água parada; limpeza de quintais, caixas d’água, reservatórios, calhas, entre outros; evitar acúmulo de lixo; usar repelentes e instalar telas nas janelas.

Pessoas com sintomas compatíveis com a dengue, como febre, dor no corpo, dor de cabeça e náuseas, devem procurar atendimento médico na unidade básica de saúde de referência. É importante relatar se fez alguma viagem recentemente ou morador de bairro com registro de casos.