17.7 C
Canoas
21 de junho de 2024

Líder da facção “Os Manos” ganha prisão humanitária novamente

Ele havia sido preso após fugir da mesma condenação

CLIQUE AQUI para receber as notícias no WhatsApp 

O líder de uma facção atuante “Os Manos” no Rio Grande do Sul, Marizan de Freitas, de 35 anos, teve o pedido de novamente ir para prisão domiciliar humanitária concedido pela Justiça. O criminoso, conhecido como Maria, foi preso em São Paulo no dia 30 de julho, após fugir da prisão domiciliar.

A decisão do Superior Tribunal de Justiça (STJ), assinada pelo ministro Rogerio Schietti, diz que o benefício foi concedido em razão da comprovação do “quadro debilitado de saúde do sentenciado”, que, de acordo com o despacho, apresenta “tuberculose em tratamento, infarto, hipertensão arterial, depressão e ansiedade”.

Quando foi preso, Maria ainda se recuperava de uma cirurgia realizada na coxa direita, onde havia um ferimento antigo causado por disparo de arma de fogo. O ministro Schietti Cruz pontua que “a unidade prisional afirmou não possuir recursos técnicos e adequados para ministrar o tratamento pós-operatório”.

“A casa prisional informa que teria condições de realizar escolta para que o preso efetue a cirurgia. No entanto, não dispõe de médico diariamente, para a troca de curativos e tampouco de fisioterapia (necessária para o pós-cirúrgico). Além disto, há um grande empecilho de o apenado retornar para a casa prisional, sem que esteja recuperado, pois é sabido que na Pasc, para chegar às celas, é necessário subir e descer escadas, o que acabaria por prejudicar a recuperação da cirurgia”, diz o texto da decisão.  

Sobre a prisão

Marizan foi preso durante uma operação conjunta entre a Polícia Civil Gaúcha, a Brigada Militar e a Polícia Civil Paulista, no dia 30 de julho. Ele é líder da facção “Os Manos no Rio Grande do Sul. A prisão aconteceu no Estado de São Paulo.

O criminoso estava foragido da Justiça e havia fugido da prisão domiciliar na mesma semana em que foi preso. Ele já havia cumprido parte de suas condenações, mas conseguiu o benefício de prisão domiciliar devido a uma cirurgia na perna.

Uma operação conjunta entre as polícias do Rio Grande do Sul e São Paulo foi realizada para capturá-lo.

Várias passagens pela polícia

Maria possui uma extensa ficha criminal como 38 anos de condenações, incluindo crimes como tráfico de drogas, tentativa de homicídio, homicídio e lavagem de dinheiro e já chegou a ser transferido para uma penitenciária federal de segurança máxima.

Antes de fugir, ele morava em um condomínio de luxo em Capão da Canoa, onde estava em prisão domiciliar.

VEJA MAIS NOTÍCIAS

TRAFICANTES QUE INTEGRAM ESQUEMA DE TELE-ENTREGA DE DROGAS SÃO ALVOS DE OPERAÇÃO EM CANOAS

MATÉRIAS RELACIONADAS

MAIS LIDAS

error: Conteúdo protegido!