18.1 C
Canoas
17 de julho de 2024

POLÍCIA: Pai, mãe e filho de 7 meses são mortos por facção criminosa; Entenda

Homem foi morto porque tinha muitas informações sobre a quadrilha

CLIQUE AQUI para receber as notícias pelo WhatsApp

A Polícia Civil do Estado do Rio de Janeiro (PCERJ) informou, nesta terça-feira (3), que segue investigando o caso da família assassinada após o pai fingir ser policial militar e enganar traficantes em Niterói, Região Metropolitana do Rio.

No momento, os agentes procuram pelo suposto informante entregue por Filipe Rodrigues, de 24 anos, a integrantes da organização criminosa da comunidade de Castro.

Mais cedo, a PCERJ deflagrou operação para prender dois suspeitos envolvidos nas mortes. Um deles, identificado como Wesley Pires da Silva Sodré, foi detido em São Gonçalo.

Segundo outro procurado e suposto mandante do crime, Lucas Lopes da Silva, o Naíba, segue foragido. De acordo com a polícia, ele é o chefe do tráfico na comunidade de Castro.

De acordo com a Delegacia de Homicídios de Niterói, São Gonçalo e Itaboraí (DHNSG), da PCERJ, Filipe fingiu ser um PM para enganar integrantes do tráfico da comunidade do Castro.

Grupo armou emboscada para pegar “informante”

Se passando por PM, o pai da família chegou a pedir R$ 50 mil para passar informações sobre um suposto informante à organização criminosa. As investigações indicam que Filipe forneceu os dados e a localização do suposto informante e recebeu R$ 11 mil.

Dois dias antes da família ser morta, em 15 de março, o grupo criminoso armou uma emboscada e capturou o homem apontado como informante. Contudo, nesse período, os traficantes descobriram que Filipe nunca foi policial e, assim, decidiram matá-lo.

A PCERJ afirma que apenas Filipe era alvo dos traficantes, mas a execução acabou matando a esposa, Rayssa Santos, de 23 anos, e o próprio filho, Miguel Filipe, de 7 meses.

Fonte: Metrópoles

MATÉRIAS RELACIONADAS

MAIS LIDAS

error: Conteúdo protegido!