FOTO: JL Balestrin/GBC

Da redação | Desde o dia 3 de julho a Concepa não cuida mais da Freeway. As cancelas dos pedágios foram levantadas e o contrato encerrado.

Os motoristas que circulam pela rodovia podem até não pagar mais o pedágio, porém encontram muitos problemas. Demora no socorro que agora é feito pelas prefeituras e pela Polícia Rodoviária Federal, falta de informações sobre o fluxo de veículos, falta de limpeza e o pior a falta de conservação do asfalto. Os buracos já aparecem na rodovia entre Porto Alegre e Osório.

Desde o final do contrato, a manutenção da rodovia tem sido feita pelo DNIT. Porém, isso pode mudar nos próximos dias. A Empresa Gaúcha de Rodovias (EGR) tem uma reunião na próxima sexta-feira (20) em Brasília para acertar detalhes e assumir a rodovia.

O pedágio a ser cobrado pela EGR terá o valor que o Tribunal de Contas da União definiu como correto para manter a rodovia sem fazer investimentos. Os valores devem seguir R$ 3,50 em Gravataí e R$ 7,10 em Eldorado do Sul e Santo Antônio da Patrulha.

Fim do contrato

O contrato do governo federal com a Triunfo Concepa não passou por renovação. Diante disso, após 21 anos, a empresa deixa de administrar o trecho da BR-290, entre Porto Alegre e o litoral Norte.

Segundo a Concepa, a proposta inicialmente apresentada pela Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT) não foi aceita em especial porque foi proposta a revisão dos valores da tarifa praticados durante a extensão do contrato no momento vigente, o que impediria que a empresa mantivesse os mesmos níveis de serviço. A empresa diz que está à disposição da ANTT para negociações da extensão do contrato de concessão, desde de que não haja alteração do regime jurídico estabelecido no contrato.

 

Futuro

O edital de concessão das quatro rodovias federais do Rio Grande do Sul (BRs 101, 290, 448 e 386) foi publicado nesta terça-feira pelo Diário Oficial da União (DOU), conforme anunciado pela Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT). O documento prevê leilão para 1º de novembro, quando será definida a empresa que vai administrar as estradas, que ficaram denominadas como Rodovia de Integração do Sul (RIS).

O edital informa que a cobrança do pedágio terá um teto de R$ 7,24. A concessão terá prazo de 30 anos e incluirá a exploração da infraestrutura e prestação de serviço em toda a extensão da malha envolvida.