Foto: Arquivo Pessoal

Da redação | A Polícia Civil segue investigando o desaparecimento do universitário e motorista de aplicativo Paulo Júnior da Costa de 22 anos. Ele saiu de casa na última segunda-feira (31) e não voltou mais.

Porém, segundo a titular da 2ª Delegacia de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP), Roberta Bertoldo, os trabalhos estão avançados, mas os detalhes não serão divulgados para não atrapalhar as investigações. O que foi liberado, até o momento, é o horário da última corrida de Paulo pelo Uber realizada entre 17h e 18h da última segunda-feira (31). O trajeto foi realizado duas horas antes do último contato com a família.

O carro, um Fiat Grand Siena vermelho, ainda não foi localizado.

Último contato

Flávio Paulo da Costa, o pai do motorista, foi o último a conversar com o filho. Por telefone, por volta das 20h30, Paulo disse que não iria demorar e que levaria o carvão para o churrasco da virada do ano.

Horas antes, Paulo também conversou com a namorada pelo whatsapp. Para ela, ele comentou que estaria fazendo uma corrida para Pelotas, que fica mais de 260 quilômetros de Guaíba, cidade onde ele mora com os pais. De acordo com a delegada Roberta Bertoldo, responsável pelas investigações, em nenhum momento o motorista foi em direção à cidade.

Porém, o que chamou a atenção da família, foram os diversos erros ortográficos. “Logo a gente percebeu que havia algo errado com ele”, comentou a mãe, Neiva Amador.

A última conversa entre Paulo e a namorada foi pelo whatsapp

Buscas

Amigos e familiares realizam mutirões a procura de pistas que cheguem ao paradeiro de Paulo. Na última quarta-feira (2), um dos amigos levantou a hipótese que ele estivesse em Santo Antônio da Patrulha, no Litoral Norte, por causa da localização do aparelho celular.

Na última terça-feira (1º) um par de chinelos do motorista foi encontrado em Osório. O objeto foi identificado pela mãe. “Ele sempre estava com um chinelo no veículo”, afirmou.