Foto: Arquivo Pessoal/Reprodução

Da redação | O corpo do universitário e motorista de aplicativo Paulo Junior da Costa de 22 anos foi encontrado na última sexta-feira (4), em Laguna, no sul de Santa Catarina. Ele estava desaparecido desde a última segunda-feira (31) quando saiu de Guaíba para fazer corridas pelo Uber.

Na mesma cidade em que o corpo foi localizado, a polícia prendeu Jackson do Nascimento de 20 anos e Wesley Nunes Ferraz de 27. De acordo com a delegada Roberta Bertoldo, da 2ª Delegacia de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP) de Porto Alegre, os dois deverão responder, inicialmente, por homicídio e ocultação de cadáver.

Foto: Polícia Civil/Divulgação

Porém, a motivação para o crime ainda é um mistério para a polícia. Nascimento sofreu ameaças de morte em Santa Catarina e veio se esconder em Porto Alegre com a ajuda de Ferraz. Por causa da insistência da namorada, ele decidiu retornar para Laguna e passar o Réveillon por lá.

“Eles estão jogando um para o outro a responsabilidade pela morte. Nenhum dos dois assume ser o autor do disparo que matou a vítima. Também não explicam o porque do crime”, enfatizou a delegada. Os dois presos tem antecedentes por crimes como homicídio, tráfico, roubo, furto e lesão corporal.

A delegada não descarta a hipótese de latrocínio, que é o roubo seguido de morte, mas afirma que ainda não tem elementos necessários para imputar esse crime aos detidos. Conforme Roberta, como o veículo da vítima foi localizado abandonado em Orleans um dia antes das prisões, a tese de intenção de roubo fica prejudicada.

O carro da vítima foi encontrado próximo ao local onde o corpo estava enterrado (Foto: Polícia Civil/Divulgação)

Ferraz foi detido temporariamente por 90 dias e deverá ser encaminhado ao sistema prisional do gaúcho. Nascimento foi preso em flagrante em razão da ocultação de cadáver, já que ele conduziu a polícia até o local onde estava o corpo, e deverá seguir em SC.