Foto: divulgação/ redes sociais

MP-RS | Nesta terça-feira, 15, o MP apresentou denúncia contra três pessoas pelos assaltos ao Banrisul e Banco do Brasil em Ibiraiaras, ocorridos em 03 de dezembro do ano passado. A denúncia, assinada pelo promotor de Justiça Felipe Lisboa Barcelos, pede, além da condenação dos denunciados, que seja fixada na sentença condenatória o valor da reparação dos danos causados pelo crime. Eles foram denunciados pelos crimes de associação em organização criminosa armada, latrocínio (a morte do gerente do Banco do Brasil Rodrigo Mocelin da Silva para a subtração de R$ 14 mil da agência), tentativas de homicídios qualificadas, porte de arma e munições de uso permitido, posse de artefatos explosivos, receptação de coletes balísticos, receptação de veículos, adulteração de sinal identificador de veículo automotor e roubos majorados ao Banco Banrisul (R$ 107.154,40), Empresa Vigilância Epavi (de quatro revólveres e quatro coletes balísticos), roubo de joias, dinheiro e celulares de clientes que estavam nos bancos, além de danos qualificados.

Os crimes foram praticados com restrição à liberdade das vítimas (funcionários das instituições bancárias e das empresas de vigilância, bem como clientes dos bancos), já que os denunciados determinaram a realização de cordão humano, impedindo que saíssem do local, e ordenando que cumprissem as ordens, bem como, implantação da fuga e evitar a ação policial, os criminosos levaram como reféns dois gerentes da agência do Banco do Brasil de Ibiraiaras, um gerente da agência do Banco Banrisul de Ibiraiaras, bem como dois clientes dos bancos, tendo sido libertados apenas com o cerco policial.

Conforme as investigações, os denunciados Rogério da Silva Barcelos, Anderson Mauricio de Jesus Avila e Felipe Arnoldo de Oliveira (todos atualmente recolhidos ao sistema penitenciário estadual), juntamente com Maicon Rafael da Silva, Gabriel Faleiro Machado, Gedislson Nascimento de Paula, Moisés da Silva, Richard Colares Torres e Aléx Jonas de Morais Rébis (falecidos), além de outros indivíduos ainda não identificados, associaram-se em organização criminosa para o cometimento dos crimes aos quais deverão responder.

OS ASSALTOS

No dia dos ataques, após prévio levantamento do local onde ocorreriam os roubos, os denunciados se deslocaram até uma estrada do interior do município de Ibiraiaras. Em seguida, foi dado início à ação criminosa, dividindo-se em grupos, efetuando assaltos concomitantes às agências do Banco do Brasil e Banrisul. Outro grupo ficou do lado de fora das agências, organizando os reféns e o cordão humano que se formava. Para obterem êxito em ingressar no interior das instituições bancárias, ameaçaram os vigilantes, bem como desferiram golpes contras as portas e vidros laterais. Para a execução da empreitada delitiva, os denunciados, juntamente com seus comparsas, utilizaram diversas armas de fogo de alto calibre, balaclavas para não serem identificados.

REFÉNS

Durante a prática dos roubos, os denunciados ameaçavam de forma ostensiva os reféns, inclusive agredindo fisicamente com tapas e socos o gerente do Banco do Brasil Anderson Barbizan. Ainda, derramaram sobre ele gasolina, como forma de ameaça para que abrisse o cofre do banco. Durante a ação, os denunciados quebraram telefones celulares dos reféns, que também tiveram roubados objetos pessoais. Os denunciados efetuaram os disparos de armas de fogo durante a execução dos assaltos e durante a fuga, levando, como reféns, dois gerentes da agência do Banco do Brasil, um gerente da agência do Banrisul, bem como dois clientes dos bancos.

Iniciada a fuga e com os reféns ainda sob seu poder, os criminosos buscaram se deslocar para o interior do município de Ibiraiaras. No entanto, ainda no perímetro urbano da cidade, encontraram uma viatura da Brigada Militar, quando atiraram contra os policiais militares, o que resultou na morte de Rodrigo Mocelin da Silva, que estava no porta-malas do veículo.

FUGA E CONFRONTO

Em um ponto previamente combinado com seus comparsas, Felipe Arnoldo de Oliveira aguardava em outro veículo para dar cobertura e realizar a fuga do grupo. Nesse ponto, os policias militares avistaram os veículos dos criminosos e os viram transferir entre os automóveis os valores roubados e objetos utilizados na prática criminosa, quando houve novo confronto com a BM. Nesse instante, chegou ao local outra viatura, que também foi atacada pelo bando. Felipe Arnoldo de Oliveira fugiu abandonando os valores e alguns objetos no percurso, mas foi abordado e preso alguns quilômetros depois. Na sequência, Rogério da Silva Barcelos e Anderson Mauricio de Jesus Avila, juntamente com Maicon Rafael da Silva, Gabriel Faleiro Machado, Gedislson Nascimento de Paula, Moisés da Silva, Richard Colares Torres e Aléx Jonas de Morais Rébis fugiram a pé em direção à mata, com o intuito de despistar a ação da Polícia, levando alguns reféns consigo. Os reféns conseguiram se afastar dos assaltantes enquanto embrenharam na mata. O refém Nilson Alves dos Santos chegou a ser alvo de tiros, mas não morreu por circunstâncias alheias à vontade do grupo criminoso.

MORTE DE ASSALTANTES

Houve cerco policial na mata. Quando o Grupo de Ações Táticas Especiais da BM chegou ao local e iniciou buscas, houve confronto que resultou na morte de seis criminosos. Os denunciados Rogério da Silva Barcelos e Anderson Mauricio de Jesus Avila conseguiram despistar-se da ação da Polícia, mas foram presos dois dias depois do assalto, em 05 de dezembro, já no perímetro urbano de Ibiraiaras. Além da apreensão de parte dos valores, foram apreendidos quatro revólveres, uma espingarda, dois fuzis, 11 coletes a prova de balas, muita munição (inclusive de submetralhadora), mochilas, uma marreta de ferro, facas e miguelitos.