Foto: Divulgação/ GBC

O prefeito de Canoas, Luiz Carlos Busato, justificou as medidas que vedam o funcionamento do comércio e das praças aos domingos e feriados à necessidade de evitar um colapso na capacidade de internações no município. Além disso, o decreto também levou em consideração o aumento significativo da circulação de pessoas e aglomerações, principalmente em praças e nos shoppings, nos finais de semana.

“Se em abril, tínhamos cerca de 4  a 7 pacientes em leitos de UTI ocupados, agora não temos conseguido baixar de 24 a 25 leitos. Esse é o momento de pensarmos em salvar vidas e a gente não quer ir pra bandeira vermelha, que é determinada pelo Estado. Por isso, estamos tomando estas medidas, com a intenção de evitar que tenhamos que fechar de forma drástica novamente a nossa economia durante os dias de semana”, explica Busato.

Para o secretário municipal da Saúde (SMS), Fernando Ritter, a população tem relaxado nas medidas de prevenção ao novo coronavírus, o que tem elevado os casos. “No dia 2 de maio, quando reabrimos o comércio, estávamos com 32 pacientes confirmados com Covid-19. Hoje, passamos dos 100 casos, o que acende uma luz de alerta. Precisamos que as pessoas voltem a se conscientizar, voltem a se cuidar e a sair de casa apenas em caso de extrema necessidade”, ressalta Ritter.

Segundo o decreto publicado na última quinta-feira (28), fica determinado o fechamento de todo o comércio e de praças aos domingos e feriados. Somente podem funcionar, nesses dias, as atividades públicas e privadas definidas como essenciais pelo Estado, com exceção do comércio varejista, de restaurantes, lancherias e similares. Aos domingos e feriados, os supermercados só funcionam até 13 horas.