FOTO: Matheus Platiz/Canoas Bus

Foto: Matheus Platiz/Canoas Bus

Da redação | As empresas de ônibus que fazem as linhas que ligam os municípios da Região Metropolitana a Porto Alegre pediram que a Metroplan proíba a atuação do Uber Juntos na Capital e em cidades vizinhas. A justificativa, é que a modalidade configura “transporte ilegal” de passageiros.

O pedido foi feito em um documento protocolado pela Associação dos Transportadores Intermunicipais Metropolitanos de Passageiros (ATM) e pelo Sindicato das Empresas de Transportes Rodoviários do Estado do Rio Grande do Sul (Setergs). De acordo com o gerente da ATM, Erico MIchels, a modalidade caracteriza um transporte coletivo. “O objetivo das empresas é que a plataforma opere apenas por demanda individual”, comentou.

As empresas ainda pedem que os órgãos de fiscalização sejam mais “rígidos” contra a modalidade e que o Ministério Público (MP) seja notificado pela suposta “atividade ilegal” praticada pela Uber.

A Metroplan informou que o documento já está sendo analisado pelo departamento jurídico.

O que diz a empresa

A Uber informou por meio de nota, que a modalidade “Juntos” não configura transporte coletivo. No texto, a empresa explica que isso é um sistema de combinação de viagens, com trajetos convergentes para compartilhar o mesmo veículo.