Foto: Cristiano Júnior/Prefeitura de Canoas

Da redação* | A unidade móvel do Centro de Referência em Assistência Social da Prefeitura de Canoas teve mais uma função: auxiliar a mudança do casal Osward Salazar e Yurubi Guzman. Os dois chegaram ao Centro Temporário de Acolhimento (CTA) em setembro de 2018 e, desde então, caminham para conquistar a independência social no município. Com a proximidade do término do convênio de cooperação de assistência e acolhimento, em 31 de março, as famílias passaram a buscar aluguéis de baixo custo para começarem um novo capítulo das suas vidas no Brasil.

Os pertences do casal couberam perfeitamente no CRAS Móvel, incluindo a geladeira que Osward ganhou de sua chefe. Há dois meses, ele trabalha como assistente de serviços gerais no Hospital de Pronto Socorro de Canoas. A esposa, Yurubi, trabalha como diarista e, quando retornar do seu dia de trabalho em Porto Alegre, já será para descansar no novo lar, agora no bairro Mathias Velho. A casa de três cômodos, mais banheiro, é pequena, mas, para o venezuelano, do tamanho ideal para abrigar os seus novos planos. “Temos dois filhos na Venezuela, um de 15 e outro de 17. Minha felicidade maior é poder trazê-los para cá e reiniciarmos as nossas vidas no Brasil, agora juntos, como família”, revela Osward com o sorriso estampado no rosto. Graças ao emprego e ao contrato de aluguel, afirmando residência fixa, o casal conseguiu programar a chegada dos filhos para o próximo mês.

Na vizinhança, mais rostos amigos. O casal Fabianes Rojas e Victor Alfonso, juntamente com a filha de 1 ano, passaram a primeira noite da nova residência, coladinha na de Osward. Os dois encontraram as casas através de anúncios na internet. “Muitos estão se mobilizando por conta e encontrando locais para morar. Nossa equipe também está auxiliando na busca por aluguéis de baixo custo, além de ir pessoalmente verificar as condições das moradias. Nosso objetivo é prestar todo o apoio necessário para que eles possam viver com plena autonomia e segurança”, explica a secretária do Desenvolvimento Social de Canoas, Luísa Camargo.

Defesa Civil auxilia com doações

A Defesa Civil de Canoas também está participando do processo de mudança dos venezuelanos, auxiliando na doação de móveis para que possam mobiliar as suas novas moradias. Itens como colchões, pias, armários, geladeira, televisão, entre outros, foram entregues na manhã de hoje para os dois casais. Para atender os demais venezuelanos e a comunidade em situação de vulnerabilidade de Canoas, a Defesa Civil solicita a colaboração da população para o recebimento de doações, através da campanha permanente Ajudar Não Tem Hora. Para doar, entre em contato pelo telefone (51) 3476-3400 ou leve as suas doações diretamente na sede da Defesa Civil (Rua Bandeirantes, 450).

O Sou Solidário, projeto de Voluntariado realizado pela Fundação La Salle, também iniciou uma campanha de arrecadação de móveis e utensílios domésticos para as famílias de venezuelanos que estão em Canoas. Para doar camas, basta entrar em contato pelo telefone (51) 3031.3169, e-mail faleconosco@sousolidário.org ou pelas redes sociais do projeto. Os voluntários do Sou Solidário se encarregam de buscar as doações em Canoas e nos municípios da região metropolitana.

Histórico

Canoas foi uma das cidades gaúchas que aceitou receber um grupo de refugiados da Venezuela em 2018 e também a que mais recebeu imigrantes. No total, foram 309 venezuelanos acolhidos. O acordo foi assinado no dia 24 de agosto, pelo então ministro de Estado do Desenvolvimento Social, Alberto Beltrame, e pela representante do Acnur no Brasil, Isabel Marques Daniel. O primeiro grupo chegou em 12 de setembro.

No dia 31 de março, encerra-se o contrato de aluguel dos dois Centros Temporários de Acolhimento (CTAs). Os valores foram custeados pelo Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados (Acnur/ONU), através da representação da Associação Antônio Vieira (ASAV). O Ministério do Desenvolvimento Social prestou apoio financeiro na promoção de soluções humanitárias na estratégia de interiorização dos imigrantes venezuelanos por meio de transferência de recursos no montante de R$ 1,02 milhão, advindos do fundo da União para o enfrentamento de calamidades e emergências. Já as Forças Armadas do Brasil garantiram o fornecimento de alimentos.

*Com informações da Prefeitura de Canoas