Foto: Ugeirm Sindicato

Sete policiais civis que atuam na 2ª DP de Alvorada testaram positivo para o coronavírus. A informação foi divulgada pela Ugeirm Sindicato. Segundo o sindicato, o surto foi constatado na sexta-feira (12). Na segunda passada (8), um caso positivo foi identificado no local, mas, mesmo assim, a DP teria seguido funcionando normalmente.

Conforme a Ugeirm, apenas os dois policiais que atuavam diretamente com o agente infectado foram afastados, sendo que os demais continuaram trabalhando normalmente. Além disso, a entidade revelou que mesmo após a realização de testes rápidos, que apresentaram resultados negativos, os próprios agentes procuraram locais para a realização de testes RT-PCR, que deram positivo para outros seis agentes.

“O governo do estado precisa olhar para os profissionais da segurança pública com mais atenção. Esses profissionais estão na linha de frente do combate ao coronavírus, expondo sua saúde para atender a população. No momento, nós, os Policiais Civis, estamos nos sentindo expostos e sem o suporte necessário por parte do governo. O sentimento que identificamos na categoria, é de abandono por parte do Estado”, diz o presidente da Ugeirm, Isaac Ortiz,

Na sexta, a direção da Ugeirm encaminhou um ofício à chefia de Polícia Civil, sugerindo a adoção de um protocolo a ser seguido, para casos como os de Alvorada e Novo Hamburgo. Segundo o sindicato, a Polícia Civil a única Instituição de segurança pública que não tem um protocolo prevendo o afastamento dos profissionais que tenham contato com pessoas infectadas com o coronavírus.

Nesta terça (16), a direção do sindicato participou de uma reunião com a chefe de Polícia, delegada Nadine Anflor. No encontro, foi reafirmada a necessidade da adoção de protocolos rígidos para a prevenção do contágio no interior da categoria.

A chefia de polícia informou que o procedimento da instituição está em consonância com a política estabelecida pelo Governo do Estado para o combate ao Coronavírus.

Na reunião, a chefia também ressaltou que está mantido o afastamento dos policiais civis que apresentam comorbidade, mediante a apresentação de atestado médico.