Foto: Trensurb/ Divulgação

Após uma hora de greve, os metroviários abriram as estações da Trensurb pontualmente às 6h da manhã. Eles cumpriram a determinação judicial que autorizava a paralização apenas entre 5h e 6h da manhã.

Com isso, as composições devem voltar a circular nos próximos minutos. De acordo com o Centro de Operações da Trensurb, pela próxima hora, os trens vão trafegar com atrasos até a normalização do sistema.

A categoria cruzou os braços às 5h para pedir prioridade na vacinação contra o coronavírus. A ideia inicial era manter a paralisação até às 7h, mas a empresa entrou na justiça para impedir o movimento. Caso descumprisse a decisão, o Sindimetrô – entidade que representa os metroviários – seria multado em R$ 100 mil.

Trensurb diz que movimento é abusivo

Por meio de nota, a Trensurb informou que protocolou no Tribunal Regional do Trabalho da 4ª Região (TRT4) uma ação judicial declaratória de abusividade sobre a greve. No pedido de intermediação da justiça a direção da empresa vê abuso em proposta de greve e, no documento, reafirmou a essencialidade do serviço de trens, “tal necessidade fica ainda mais evidente neste período de pandemia, quando os usuários do sistema necessitam chegar aos hospitais da capital do Estado e da Região Metropolitana, seja em busca de atendimento, seja para prestarem serviços nesses estabelecimentos”.

Além disso, a Trensurb ainda ressalta que “o transporte coletivo executado pela empresa está entre os serviços essenciais e não pode fiar à mercê de uma paralisação total em sua operação, ainda que por período de duas horas, pois tal situação causará prejuízos e transtornos irreparáveis à população usuária”.